Resenha do livro: O herói discreto por Mario Vargas Llosa

El heroe discreto – O herói discreto
Esse livro foi escrito pelo autor peruano Mario Vargas Llosa, o qual já escreveu vários livros, recebeu muitos prêmios e em 07/10/2010 ganhou o premio Nobel de literatura.
Esse livro em español é da editora Alfaguara, e em português o título é ¨O herói discreto¨ da editora Quetzal. Eu particularmente gosto mais da capa do livro em español, acho que está mais relacionada com a estória do livro.
Quando vc examina a capa do livro que está em español pensa que a aranha desenhada no papel está relacionada com o herói do livro, o que não é verdade. Pensamos assim porque estamos contaminados com as revistas em quadrinhos, e os filmes sobre ¨spider man¨. Mas aqui particularmente, o herói do livro luta contra a aranha.
 
 
 O livro trata sobre a estória de vida de dois personagens principais e os desdobramentos dessa estória na vida das pessoas com quem eles se relacionam.
É um livro bem fácil de ler, tem certa medida de humor, suspense, e às vezes te dá um pouco de arrepios. Isso foi exatamente o que eu senti. O final eu achei um pouco pobre, mas depois de pensar e pensar e pensar eu cheguei à conclusão de que o final foi como deveria ter sido.
Os dois personagens principais são Felicito Yanaqué, y Ismael Carrera. O primeiro é da cidade de Piura no norte do Peru. A cidade da minha amiga pessoal M.D.. O segundo personagem principal é de Lima, capital do Peru, um empresário muito rico.
O segundo personagem aparece bem pouco no livro. Mas ele consegue criar uma confusão tão grande que deixa outros personagens brilharem. E um desses é seu funcionário Don Rigoberto e sua família.
Mais uma vez o autor consegue escrever um livro onde o mais importante é a humanidade das pessoas e os problemas advindos disso, do que política ou economia.
 
 
O livro trata de um tema muito humano ao relatar a estória entre pais e filhos. O que nos leva a fazer uma série de perguntas: Como é a relação entre pais e filhos? Como deveria ser a relação entre um pai e seus filhos? O pai deve ensinar sobre Deus a seus filhos? É dever do pai ensinar que existe o diabo? O pai deve ensinar religião aos seus filhos? Os filhos podem odiar aos pais? Quais condutas paternas podem levar os filhos a odiar o pai? Os filhos tem direito a odiar o pai?  O que fazer quando os filhos ameaçam seus pais? Amor e ódio na relação entre pais e filhos? 
Em minha opinião esse é um tema super atual. Desde que Jesus profetizou que o amor esfriaria na face da terra, e que pais e filhos se odiariam isso tem sido verdadeiro nos dias de hoje nos noticiários da televisão, devido ao incremento de tantas barbáries entre pais e filhos.
Vejamos os versículos bíblicos que falam sobre esse tema:
¨e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.¨ Mateus 24:12
¨E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai ao filho; e levantar-se-ão os filhos contra os pais, e os farão morrer.¨ Marcos 13:12
Com efeito, a abordagem humana sobre a relação entre pais e filhos é atual e deve ser analisada com detalhes para que possamos aprender e crescer como pessoas. Outro tema interessante que é um desdobramento dessa relação entre pai e filhos e que eu acho que deve ser abordado é vingança e perdão.
Ademais de todos esses temas, outros fatores importantes que também são abordados no livro é preconceito entre classes sociais, honra, integridade e fidelidade matrimonial. Wow…. esse livro é o campeão em temas difíceis.
Comecemos então a analisar o personagem Felicito Yanaque. Esse personagem tinha dois filho.  Ele sempre desconfiou que o primeiro filho não era seu, mas nunca perguntou para sua esposa. Portanto, sempre criou o filho mais velho com algumas reservas. Foi um pai muito rígido e fez os filhos trabalharem como qualquer um dos seus funcionários. Em contrapartida, era um homem infiel a sua esposa, e recorria a uma mulher adivinha antes de fazer os seus negócios ou tomar decisões importantes em sua vida.
Certo dia, Felicito se vê ameaçado através de uma carta. Ele é ameaçado a pagar 500 dólares mensais a uma máfia para que seu negócio seja protegido. Como Felicito é um homem de muito honra e fiel a seu principio ¨não se deixe ser pisoteado por ninguém¨, ele resolve a não ceder a chantagem.
Em virtude de sua atitude, começa uma guerra em sua vida. O curioso é que a chantagem vem de quem menos se espera, do filho mais velho.
O que me fez perguntar: Por que o filho mais velho chantageou o pai por apenas 500 dólares mensais? O que levou o filho a pensar que o pai cederia a uma chantagem? Por que tanta ingratidão com o pai? Esse comportamento demonstra falta de amor?
E ao final do livro eu pergunto: Por que o pai não perdoou o filho? Deserção é falta de amor?
A outra face da moeda conta a estória de Ismael Carrera um homem de negócios muito bem sucedido que tem dois filhos gêmeos que são um verdadeiro desastre. E esse personagem quando está no leito de morte escuta os filhos se alegrando com sua morte. E isso lhe dá vida, ele se recupera para se vingar dos filhos. Ele vende a empresa, casa com a empregada e não deixa nada para os filhos.
Mas, enquanto passa toda essa trama seu funcionário Don Rigoberto sofre barbaridades com processos judiciais dos próprios filhos de Ismael Carrera. Ademais de toda essa dor de cabeça, o seu filho começa a ter visões e a falar com o diabo.
O que me leva a perguntar: O pai que sempre faz tudo para os filhos e os cria para ser monstros, tem direito de reclamar da personalidade dos filhos no futuro? O pai que cria um monstro tem o direito de se vingar contra os próprios filhos? Exigir que seu filho seja sensato quando adulto depois de vários anos de insensatez é lógico? É difícil para um filho ser grato a um pai quando ganha tudo sem esforço? Viver pensando quando vc receberá sua herança é saudável? Herança pode ser uma obsessão para alguns filhos? É dever dos pais ensinar religião aos filhos? Ter um filho que lê a bíblia é um problema?
Creio que a pergunta principal que nos fazemos quando lemos o livro é: Onde está o amor?
Já fiz muitas perguntas e não respondi nenhuma, porque em realidade as perguntas são apenas para nos fazer pensar e refletir. Mas creio que é muito difícil para as pessoas responder onde está o amor, porque não é fácil cumprir o  mandamento mais importante de Deus.
Jesus disse que o primeiro mandamento é amar a Deus. E o segundo tão semelhante ao primeiro é amar ao próximo como a ti mesmo. E muitas pessoas têm falhado com esse mandamento.
Mateus 22: 37-39
¨Respondeu-lhe Jesus: amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. 38 Este é o primeiro e grande mandamento. 39 O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo¨
Justamente porque praticar o amor na sua forma real é difícil:
I Corintios 13: 4-7
¨4 O amor é paciente, é benigno. O amor não inveja, não se vangloria, não se ensoberbece. 5 Não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal. 6 O amor não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade. 7 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.¨
Esse é o tipo de amor que devemos ter com nossos filhos. Amar tanto a ponto de ter paciência com nossos filhos. Amar tanto a ponto de não irritarmos. Amar tanto a ponto de perdoar. Amar tanto a ponto de suportar tudo.
Esse é o tipo de amor que devemos ter com nossos pais. Amar tanto a ponto de ter paciência com os defeitos dos nossos pais. Amar tanto a ponto de ter compaixão, suportar e perdoar. Amar tanto a ponto de se portar como convém. Amar tanto a ponto de sofrer, crer, esperar e suportar.
Isso é o que realmente falta nas nossas relações entre pais e filhos.
E para que isso nunca falte nos nossos lares precisamos conhecer a Deus. E por isso é importante que os pais ensinem os valores cristãos aos seus filhos. Ler a bíblia não é um problema, é uma benção e vc ficará impressionado com a diferença que isso fará na sua família.
 
 
Voltando a análise do livro, em minha opinião a personagem mais complexa é Felicito. Porque ele brilha como um herói quando se nega a pagar dinheiro a máfia, mas seu brilho extingue quando aparece cenas de seu adultério, e quando deserda o filho que criou.
A honra é um valor muito apreciado na nossa sociedade, porque hoje em dia é bem raro conhecer pessoas assim. Honra, honradez, honestidade, integridade e fidelidade são valores que se intercomunicam, e se vc buscar no dicionário uma dessas palavras estará presente no significado de alguma delas. E por isso eu me questiono se é possível alguém ser metade honrado e metade não.
Em minha opinião a resposta para essa pergunta é não. Se te falta honra na sua casa e não no seu trabalho, então, essa qualidade não te pertence. Sou bastante radical, mas creio que a parcialidade de valores cruciais vem impregnada de mentiras e traz sofrimento.
Mas, eu penso que o autor levando em consideração a humanidade das pessoas, abstrai o título do livro. Pelo fato de que somos humanos, e todos cometemos erros, o livro leva o nome herói discreto. Tanto Ismael como Felicito são considerados heróis porque o primeiro não aceitou a chantagem e o segundo porque casou com uma mulher pobre e deixou os filhos sem herança. São considerados heróis discretos por sua humanidade, suas falhas, e suas virtudes.
Para finalizar, meu último comentário é sobre o casamento de Ismael Carrera com a sua empregada doméstica. Em minha opinião a má repercussão desse casamento mostra quão classista é a sociedade, trazendo a luz uma questão importante: preconceito. Não digo que só os peruanos são classistas, ao contrário, em minha opinião todos os povos são classistas, cada um com a sua medida. Em toda sociedade existe preconceito. Em algumas sociedades impera o preconceito entre pobres e ricos, outros preconceito de cor de pele.
E por isso penso que o final do livro foi brilhante, porque os personagens intitulados pobres voaram ao continente Europeu de primeira classe e os intitulados ricos voaram de classe econômica. Foi uma grande ironia para massacrar a sociedade classista. Creio que o livro nos convida a abandonar todos os nossos preconceitos.
Afinal, não há que existir acepção de pessoas, todos somos iguais, e por isso sou apaixonada na declaração de direitos humanos e a declaração do artigo 5° da Constituição Federal do meu país!!
Todos somos iguais! Todos somos loucos! Esse deve ser o lema…. Uma vida sem preconceitos.
Com efeito, o livro possui muitos temas polêmicos, os quais, eu poderia fazer inúmeros comentários, mas ficará para outra oportunidade.
Disfrutem o livro. É uma boa companhia.
Beijos
Emiliana

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Prove you aren't a robot *